domingo, 23 de abril de 2017

na dianteira sombra venha me seguir





Das mentiras que sempre nos contam a que menos me atinge é aquela que diz que nos arrependemos não do que fazemos mas sim do que deixamos de fazer. O que deveria ser um estímulo para me tirar da cama e viver uma vida intensa, na verdade não passa de uma frase sem sentido para uma pessoa que não vê problemas em fazer nada no tempo livre ou que igualmente se arrepende de coisas que fez. Amadurecer e acumular arrependimentos são expressões que possivelmente carregam raízes etimológicas semelhantes, bem como podem ser processos risíveis ou dolorosos. Como dizem que a gente se arrependeria mais do que não fez do que do que fez, e eu advogo que o arrependimento estaria em qualquer uma das duas coisas, carrego como um troféu cada momento desses registrados em que mesmo com chuva, frio, balada miada e pós-expediente, a gente deu um jeito de sorrir tão bonito assim. 
(Como já é clássico aqui, as fotos são de novembro de 2016 a janeiro de 2017)















♫ Metá Metá - São Jorge

Nenhum comentário:

Postar um comentário